Quinta Outubro 19 , 2017

SEMÍRAITA

CENTRO INTEGRAL DE TREINAMENTO INDÍGENA

Por Alceris Dias Terena

 

Ao longo dos anos, os indígenas viram que das mais variadas necessidades para ajudar seus próprios povos uma era destaque discutido em círculos  missionários e acadêmicos: a educação.

Educação tem sido o carro chefe que guia os projetos do CONPLEI., pois entendemos que sem uma instrução adequada nenhuma pessoa, seja ela indígena ou não, teria condições de conviver dentro do seu contexto.  Esse foi a preocupação  dos missionários no passado e continua ainda neste presente.

No entanto , ao longo de todos esses anos, observamos que o aluno indígena simplesmente assimilava o aprendizado sem poder por em prática na sua comunidade ou aldeia.

Durante vários anos o CONPLEI sonhou em ter um local onde pudessem ministrar uma educação diferente mas faltou iniciativa dos próprios indígenas pois se pensou que era muito complicado e difícil. Até que em 2008, logo após o congresso nacional do CONPLEI em Itacoatiara, AM, Deus permitiu que fosse lançada a semente; o CONPLEI adquiriu uma propriedade  de 114 hectares no município de Iranduba à 30 quilômetros  de Manaus e lá se deu início deste projeto ousado de uma escola de indígena para indígena, o PROJETO SEMÍRAITA.

 

PROJETO SEMÍRAITA

O que é Semíraita? A palavra em si vem da língua geral (nhengatú) da região da Amazônia que significa “meu povo” baseado no versículo bíblico  de II Crônicas 7: 14, “se o meu povo que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra).

Este projeto ousado do CONPLEI tem como principal objetivo de se tornar uma escola contextualizada para preparar o índio para enfrentar os dois mundos; a sua e dos “brancos” que a cada dia estão mais pertos de suas comunidades.

A visão da escola é ver os indígenas evangelizando os próprios indígenas.  Para que isto aconteça Semíraita terá um currículo contextualizado ao dia a dia indígena. Um currículo de aspecto integral que integre o aluno nas três dimensões de aprendizado pois o indígena não dicotomiza sua sociedade mas ele a vê de uma maneira holística e integral. Por exemplo, o pastor pode ser o cacique que pode trabalhar na roça mas também vê o mundo espiritual como cotidiano. Estes seriam o tripé da filosofia do Semaíta; o ensino Bíblico, acadêmico e profissionalizante.

Os alunos treinados poderão voltar para suas comunidades com ferramentas em diversas áreas para que possam ajudar seus próprios parentes. Um “parente” nosso Marcos Terena,  disse uma vez – “posso ser como você sem deixar de ser o que sou”, isso é muito real hoje e devemos preparar nossos jovens para que sejam líderes que entendam os dois mundos.

Ainda estamos no início de construção e já temos uma oca terminada ( em formato circular, pois o indígena não é acostumado com uma sala quadrada e sentada em fileira vendo a nuca do companheiro, ele precisa ver o rosto ficar de frente para conversar). Pensamos em uma estrutura mais contextualizada no momento. Mais para frente estamos com projetos de construir casas para alunos e missionários que gostariam de se juntar a nós. É um ministério das três ondas missionarias juntas. Estaremos mais do que felizes de trabalhar juntos.